Por que contratar uma empresa com certificação ISO 9001?

Qual a importância de contratar uma empresa com a certificação ISO 9001?

 

Você sabe o que é a ISO 9001? Essa certificação faz parte da série de normas da International Organization For Standardization (ou ISO), reconhecida e com acreditação pelo Inmetro. Seu objetivo é garantir a melhor gestão de qualidade nas empresas.

Quer saber mais sobre essa importante certificação e por que contratar uma empresa com esse selo? Então venha descobrir agora tudo sobre a ISO 9001.

 

O que é a ISO 9001?

A certificação ISO 9001 é uma das normas de qualidade mais importantes do mundo e está presente em quase 200 países. Ela permite que uma empresa elabore um Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ) para garantir um melhor atendimento e prestação de serviço para seus clientes.

A ISO 9001 pode ser implementada em qualquer tipo de empresa, independente do seu setor ou tamanho.

Essa norma visa assegurar que a empresa esteja legalmente comprometida em cumprir a  sua parte do acordo estabelecido em contrato dentro do prazo previamente combinado com o cliente.

A gestão da qualidade implementada busca corrigir defeitos internos nos processos de uma empresa, garantir a padronização da logística de entrega dos produtos e auxiliar no planejamento estratégico.

Quando uma empresa é certificada com o ISO 9001, ela obtém um selo de qualidade internacional e estabelece um vínculo de qualidade com seus clientes.

 

Quais os benefícios de contratar uma empresa com a certificação ISO 9001?

Primeiramente é essencial entender que a certificação não é obrigatória para nenhum negócio. Empresas que se submetem a buscar a certificação estão preocupadas com a qualidade da sua gestão e dos serviços oferecidos.

Além disso, a ISO 9001 é uma norma aprovada e reconhecida internacionalmente. A certificação é a segurança de uma boa relação que a empresa busca ter com seus clientes.

Outro benefício é a otimização da produtividade e desempenho. A Gestão de Qualidade corrige processos internos da empresa e, consequentemente, melhora a sua competitividade dentro do mercado.

O cliente tem garantia que os termos estabelecidos em contrato serão cumpridos dentro do prazo estabelecido.

Ao contratar uma empresa com a certificação ISO 9001, você estará contratando uma empresa com credibilidade, organização e garantia de qualidade.

 

A Solstar é certificada?

empresa ISO 9001

Temos muito orgulho em dizer que sim. A Solstar é uma das primeiras empresas no setor da energia solar a conquistar a certificação ISO 9001 no Brasil.

Estamos sempre buscando as melhores práticas e soluções para nossos clientes e funcionários. A ISO 9001 é resultado de muito trabalho e dedicação por parte da equipe Solstar para garantir a satisfação com nosso produto.

E esse foi só nosso primeiro passo rumo a objetivos cada vez mais ambiciosos.

Quer saber mais sobre a Solstar? Então clique aqui e descubra porque somos uma das empresas que estão mudando o mercado de energias renováveis no Brasil!

Learn More

As Vantagens da Energia Solar para Mercados e Supermercados

Mercados e a energia solar: uma parceria econômica e rentável

 

A luz do sol é o insumo mais popular quando pensamos em alternativas para os meios tradicionais da energia elétrica. Essa fonte sustentável e renovável dá vida aos meios de energia solar, possibilitando um meio consciente, econômico e cheio de vantagens para empresas de pequeno e grande porte.

Ao pensar em um modelo de energia solar, é possível indicar que os mercados são os negócios que mais podem se beneficiar com esse sistema. Isso pode acontecer por diversos motivos, inclusive quando consideramos a alta demanda elétrica nesses locais.

Luzes potentes, equipamentos frigoríficos e outras tecnologias são os grandes responsáveis pelos valores altos na conta elétrica de pequenos e supermercados. Neste sentido, as soluções solares chegam para baratear o consumo, armazenar e distribuir uma energia sustentável para o seu comércio.

Saiba mais sobre a energia solar e suas principais vantagens quando falamos nas instalações em mercados!

 

O que é e como funciona a energia solar

vantagens da energia solar

Antes mesmo de entender as vantagens do sistema fotovoltaico para mercados de pequeno e grande porte, é importante considerar algumas das informações sobre esse meio alternativo de eletricidade.

A energia solar, como o próprio nome diz, é uma rede de eletricidade proveniente do sol. Com essa fonte reutilizável, é possível capturar a luz do dia por meio dos painéis solares, armazenar essa energia em baterias e a transformá-la de corrente contínua (CC) em corrente alternada (CA) pelos inversores solares.

A instalação de um sistema fotovoltaico deve ser feito por uma empresa especializada no mercado e contar com um kit de instalação com os principais itens para que o funcionamento do sistema seja possível.

No kit, você conta com painéis solares, string box, cabos de conexão, conectores, inversor solar e uma estrutura de fixação. Todos os materiais podem ser comprados em conjunto com a empresa instaladora, uma vez que estas já contam com os contatos e fornecedores de confiança no mercado para a execução.

 

Por que mercados devem considerar a energia solar

Os custos com a energia elétrica tendem a ser extremamente altos para pequenos e supermercados. Esses gastos acontecem muito pelo uso de luzes de forma constante, equipamentos frigoríficos e outras tecnologias que consomem da rede elétrica dentro dos estabelecimentos.

Além disso, deve-se considerar o aumento das taxas e crise elétrica em diversos locais do país. Quanto maior a demanda de energia, maiores serão os gastos.

Neste contexto, uma das vantagens para energia solar é ser a solução para pequenos, médios e grandes empreendedores e donos de comércios que sofrem com as contas de energia e acabam prejudicando os retornos financeiros dos estabelecimentos.

As instalações solares têm grande vantagem sobre os meios tradicionais de eletricidade, uma vez que além de superarem os valores na conta de energia elétrica, podem dar um retorno financeiro do investimento de 4 a 6 anos.

Outro grande motivo para a instalação são os avanços tecnológicos no mercado solar, que estão possibilitando o barateamento de equipamentos e profissionais cada vez mais qualificados para realizar o procedimento de forma completa e responsável.

 

Vantagens da energia solar para pequenos e grandes mercados

vantagens da energia solar

Ainda não está convencido que o sistema fotovoltaico é o ideal para o seu mercado? Confira as vantagens que separamos para esse tipo de comércio:

 

Redução na conta de energia elétrica

A vantagem mais considerada nos primeiros estudos da energia fotovoltaica com certeza são os benefícios que trazem para o bolso do consumidor. Para o seu mercado, essa condição não é diferente.

Com a instalação, é possível notar uma redução de até 95% na conta de energia elétrica. Inclusive, empresários relatam que conseguirão economizar até R$ 40 mil nos gastos com eletricidade dentro de um ano.

 

Retorno financeiro 

Além da redução quase imediata na conta elétrica, outra das vantagens da instalação da energia solar é um retorno financeiro entre 4 e 6 anos. Isso quer dizer que esse tipo de instalação “se paga” após poucos anos da instalação dos painéis solares.

 

Instalação simplificada e baixa manutenção

A instalação pode parecer um desafio para muitos empresários, mas a realidade é que o crescimento das empresas especializadas no mercado deixa cada vez mais confiança para seguir com o sistema de energia solar.

Além de contar com  uma empresa de confiança, os painéis solares são conhecidos pela sua baixa manutenção, investimento que só deve ser considerado uma vez ao ano para a limpeza do material, ou a cada 6 meses para locais com maior índice de ventania ou poluição.

 

Linhas de financiamento

Atualmente, o Brasil conta com cerca de 70 linhas de crédito para os interessados na instalação de um sistema solar. Essa medida de incentivo possibilita o financiamento e descontos para a compra e instalação dos painéis solares no seu estabelecimento.

 

É um meio renovável

Ter um meio sustentável de energia solar traz muitas vantagens para o meio ambiente. Ao optar por esse caminho, os mercados podem comunicar a sua preocupação com a sustentabilidade e incentivar que mais medidas para o incentivo da energia solar sejam estabelecidas em solo brasileiro.

Esse tipo de atitude combina muito com os tempos atuais, nos quais os consumidores estão cada dia mais preocupados com questões ambientais e que afetarão as próximas gerações, como a produção de CO² e o aquecimento global.

 

Novas tecnologias

Assim como mais profissionais especializados, as novas tecnologias são uma grande vantagem para os mercados de pequeno e grande porte que desejam caminhar junto à energia solar.

Com os avanços tecnológicos, é possível notar a redução significativa nos valores dos materiais necessários para a instalação, barateando cada vez mais o processo inicial do sistema fotovoltaico em economias diretas para o seu negócio.

 

Mercado em crescimento

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil é capaz de produzir 15 trilhões de megawatts no ano. Esse número significa muito para este país tropical, uma vez que o faz como um ponto de interesse para possíveis investidores no mercado de energia solar.

Quanto maiores os incentivos e investimentos neste setor, melhor serão os produtos, instalações, empresas e todos os processos relacionados ao sistema fotovoltaico no país; abrindo porta para mini e supermercados em um ambiente em constante crescimento.

 

Simule grátis

A energia solar é um assunto extremamente interessante e cheio de vantagens para empresas de todos os setores, principalmente quando falamos sobre os gastos com a conta de energia, item de grande incômodo para pequenos e grandes mercados brasileiros.

Se você deseja fazer uma economia significativa para o seu negócio, a Solstar recomenda dar os primeiros passos agora mesmo: simule online e gratuitamente a instalação do seu sistema fotovoltaico clicando aqui.

Learn More

O Sucesso Entre a Energia Solar e o Marketing Verde

Populações cada vez mais urbanas, trânsitos extremamente engarrafados, pessoas trabalhando mais do que nunca, tempo escasso e industrialização de itens de consumo em crescimento exponencial. Nunca se gerou tanto lixo.

Cenários como esse que vivemos nem sempre tem a sua origem clara. O que veio primeiro? Ou se trata de um ciclo vicioso em que um fator impulsiona o outro?

Independente de desconhecer a origem das causas, ou pelo menos a ordem em que aconteceram, as consequências são bastante claras. 

Temos aterros sobrecarregados gerando poluentes para os lençóis freáticos, por exemplo; temos indústrias emitindo carbono em excesso para dar conta de toda a demanda de produção; falta espaço para todo o lixo produzido ao longo dos dias, o que provoca enchentes e poluição de rios e mares; temos um crescimento significativo no uso do plástico inversamente proporcional à capacidade de reciclá-lo.

Foi diante dessa realidade e de seus impactos sobre as condições climáticas, o aquecimento global, o descongelamento de geleiras, entre outras catástrofes ambientais, que as discussões sobre a necessidade de repensar nossos hábitos, modelo de consumo e produção, ganharam força.

O chamado “despertar de consciência” foi um movimento iniciado na década de 60, na Europa e nos Estados Unidos, que provocou a população a avaliar o impacto dos seus hábitos de consumo no meio ambiente. Somente na década de 90, no entanto, esse movimento começa a explicitar a sua interferência na forma com que as empresas e marcas se posicionam, se comunicam com seus consumidores e vendem seus produtos e serviços.

Ao consumidor final, cabia mudar os seus hábitos e atitudes. Às empresas, no entanto, cabia toda uma mudança na cadeia de produção, desde a origem da sua matéria-prima até a logística de distribuição dos seus produtos, passando por tratamento de resíduos, gestão de efluentes e consumo de água e energia.

Nascia assim o marketing verde, também conhecido como marketing ambiental ou ecomarketing.

 

O que é o Marketing Verde?

marketing verde

De forma simplificada, o marketing verde consiste nas estratégias de promoção dos atributos e iniciativas das empresas e seus produtos que prezam pela preservação ambiental. Ou seja, deixar claro para os públicos de interesse da marca que a sua operação não agride o meio ambiente, ou que a empresa compensa os impactos causados ao meio ambiente e à sociedade.

De forma resumida, é usar a consciência ambiental como apelo a favor da marca. 

Mas é claro que, só podem se promover com marketing verde aquelas empresas cujas ações são condizentes com essas expectativas. Então, para ser aderente ao Marketing Verde, é fundamental que a empresa e seus produtos e serviços sejam:

 

  • ecologicamente correta;
  • economicamente viável;
  • socialmente justa e
  • culturalmente aceita.

Isso porque, não é apenas o meio ambiente que sofre os impactos, positivos ou negativos, de uma operação industrial ou comercial, toda a sociedade é impactada pela sua presença, seja por questões físicas, seja por questões culturais. 

É nessa busca pelo equilíbrio nas visões econômica, social e ambiental que nascem conceitos e metodologias como o ESG, “Environment, Society and Governance”, em português “Ambiental, Social e Governança” que classifica as práticas ambientais, sociais e de gestão para grupos, empresas e pessoas.

 

Como tudo isso contribui para atrair e fidelizar clientes?

O despertar de consciência provocou outras correntes, como o consumo consciente, economia circular, propriedade compartilhada, entre outros. Isso porque as pessoas entenderam o seu protagonismo em promover mudanças que preservem o nosso planeta.

A atitude pessoal, somada ao grande acesso à informação, provocou uma influência natural sobre a forma como as marcas se posicionam no mercado. O marketing verde se tornou mais expressivo no momento em que os consumidores passaram a comprar das marcas com as quais se identificam na adoção de causas sociais, econômicas e, claro, ambientais.

É por isso que as empresas fazem questão de divulgar suas iniciativas positivas na redução dos impactos ou compensação da emissão de carbono, por exemplo, por ter consciência de que o consumidor fica satisfeito ao se relacionar com marcas que olham além dos seus limites.

Nas esferas social e econômica, a visão é a mesma. São favoritas as marcas capazes de promover mais impacto positivo na sociedade do que negativo, aquelas empresas que contribuem com as comunidades nas quais estão inseridas.

 

Onde entra a energia solar para empresas nessa relação?

energia solar para empresas

Desde os primeiros sinais de marketing verde, ganham força as empresas que demonstram seus esforços em preservar o meio ambiente. Não é à toa que aquelas que assumem os maiores compromissos com a sustentabilidade lançam, anualmente, seus Relatórios de Sustentabilidade ou Relatos Integrados, documentos nos quais ficam expressos seus resultados econômicos, sociais e ambientais, além da evolução nos compromissos firmados.

Um tema de extrema relevância em publicações desse formato, bem como em todas as demais ações de marketing e comunicação alinhadas ao marketing verde, é a gestão energética das empresas. A forma como as empresas consomem, contratam ou geram energia diz muito sobre o seu comprometimento.

É nesse cenário que consumir energia de fontes renováveis e, principalmente, ser o gerador da sua própria energia é uma cartada certeira nas ações de marketing verde. Empresas que possuem sistemas de energia solar têm uma série de vantagens e atributos para promover, entre eles:

 

  • O uso de uma fonte inesgotável como o Sol;
  • Não estressa os recursos hídricos como em usinas hidrelétricas de autogeração;
  • Reduz o uso de caldeiras e outras fontes de energia que podem emitir poluentes;
  • Não demanda energia em quantidade da rede pública, contribuindo para preservação dos rios e para não demandar acionamento de termelétricas em períodos de poucas chuvas;
  • Economizam na conta de energia, podendo destinar a verba para outras ações sociais;
  • Deixam claro o seu compromisso em ter uma operação que beneficie a sociedade.

Mesmo as pequenas empresas têm vantagens na adoção da energia solar e, ao pensar sobre o marketing verde, o investimento pode trazer benefícios que não apenas promovem economia, mas impulsionam o crescimento e a sustentabilidade do negócio. Afinal, o apoio à economia local também é um ponto que tem ganhado o coração de muitos dos novos consumidores conscientes.

Já entendeu os benefícios que o marketing verde pode trazer para o seu negócio? Então comece agora mesmo a planejar a instalação do seu sistema de energia solar fotovoltaica e assuma esse compromisso com a sustentabilidade.

Ficou interessado em modernizar seu negócio com a energia solar? Então faça uma rápida simulação com a Solstar e comece a economizar!

Learn More

Governo lança programa de incentivo à energia solar

Governo lança programa de incentivo à energia solar

 

Importante incentivo ao uso da energia solar, o programa “pró-sol” do governo federal sinaliza a intenção do Brasil de avançar em uma matriz energética mais limpa

“Pró-sol” foi o nome indicado pelo governo federal para o programa que faz parte da sua política de incentivos ao uso da energia solar. A iniciativa, que vai além da renovação dos atuais incentivos para a instalação de placas solares, ganhou impulso após o Fórum Econômico Mundial, em Davos, em 2020.

Demonstrando os esforços do Brasil em responder aos questionamentos internacionais sobre aspectos ambientais que envolvem, entre muitos outros, a preservação da Amazônia e uma matriz energética mais limpa, o programa vem sendo apresentado às empresas que investem em energia solar fotovoltaica como um convite à discussão, enquanto aguarda o seu lançamento oficial em nível nacional.

O próprio presidente do Brasil, ao apresentar a ideia de programa, deixa clara a intenção de mostrar às demais nações as condições de avanço que o Brasil possui no combate às questões climáticas. 

Situações como essas são bastante comuns após encontros internacionais focados no desenvolvimento ambiental e social, como o Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, que provocou discussões em relação à preservação da Amazônia.

No entanto, não é somente aos demais países que o presidente tem feito esforços para mostrar a relevância desse projeto. No próprio governo, a iniciativa do Planalto encontra resistência por aqueles que acreditam que o consumidor-gerador deve pagar uma taxa pela geração distribuída.

Em 2019, o deputado federal Lafayette de Andrada (Republicanos), foi o relator do Plano de Lei que busca taxar a energia solar no Brasil. A PL em questão propõe que as pessoas possam gerar sua própria energia em casa por meio de painéis fotovoltaicos, mas que haja uma cobrança de taxas sobre a Geração Distribuída (GD), uma vez que os custos na fatura de energia não estão ligados apenas ao consumo.

 

Descubra como empresários vem economizando com energia solar!

 

Podendo chegar a 63% da fatura normal (sem energia solar instalada), a chamada “taxação do sol”, como denominou o presidente Jair Bolsonaro, no entanto, colocaria o Brasil como subdesenvolvido em energia solar e, por isso, tem sido bastante debatida.

O Presidente é enfático sobre o seu posicionamento em oposição a essa taxa e tem buscado manifestar aos brasileiros os seus esforços para derrubá-la: “no que depender da Presidência da República não haverá taxação da energia solar e ponto final. Ninguém fala no governo a não ser eu sobre essa questão. Não me interessa parecer de secretário, seja quem for. A intenção do governo é não taxar. Agora que fique bem claro que quem decide essa questão é a Aneel – Agência Nacional de Energia Elétrica. É uma agência autônoma e não tenho qualquer ingerência sobre ela. A decisão é deles, mas que fique claro que nós do governo não discutiremos mais esse assunto.”

Para esclarecer, aqueles que defendem a redução do subsídio à geração distribuída justificam a sua intenção pelo fato de que a eficiência dos painéis fotovoltaicos tem aumentado significativamente, ao mesmo passo em que o custo de aquisição e instalação tem reduzido.

Os pontos de defesa do governo, no entanto, não estão atrelados somente às questões econômicas, uma vez que, a energia solar é oriunda de fonte limpa e renovável e assim permite a ampliação da diversificação da matriz energética brasileira.

Ao ampliar o acesso à energia solar fotovoltaica, se reduz a demanda de energia gerada por fontes hidrelétricas, bem como a necessidade de ativação das usinas termelétricas em situações como temporadas de poucas chuvas e estresse hídrico.

Ou seja, além de ser extremamente eficiente e representar economia mensal na fatura de energia dos brasileiros, a energia solar é um importante passo em resposta às questões ambientais e climáticas do país.

Adotando fontes renováveis, a geração de energia elétrica no Brasil assume uma pequena parcela no total de emissões de carbono do país. No mundo, o impacto é maior.

Taxa energia solar

 

Incentivos à Geração de Energia Solar

O governo tem contratado projetos de energia solar fotovoltaica que, nos próximos cinco anos, devem movimentar investimentos estimados na ordem de R$ 10 bilhões.

Segundo dados da Greener, empresa de inteligência de mercado e desenvolvimento de projetos para o setor solar, a geração solar centralizada, contratada por meio de leilões de energia no Ambiente de Contratação Regulado (ACR), soma 4,4 GW em capacidade instalada no país, com metade desse volume já em operação. 

Ainda há 2,1 GW somando projetos em construção ou aguardando construção. Somente até 2019, os projetos solares do mercado regulado já movimentaram R$ 10,6 bilhões em investimentos.

Segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), as usinas de geração centralizada em operação no Brasil proporcionaram mais de 50 mil novos empregos e geram energia elétrica limpa suficiente para suprir um consumo equivalente à necessidade de mais de três milhões de brasileiros.

 

 

Quais são os principais incentivos?

Seja na geração de energia ou na aquisição de produtos e equipamentos necessários para a instalação, o governo brasileiro incentiva a geração de energia solar fotovoltaica por meio da isenção de impostos e taxas. 

A isenção de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), PIS e Cofins da energia sob a geração já é realidade do Governo Federal há algum tempo, no entanto, foram necessários mais de dois anos para que todas as unidades da federação aderissem à lei, uma vez que boa parte dessas taxas é de responsabilidade estatal.

 

 

Incentivos fiscais e políticos

Atualmente, cabe à Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) a publicação de Resoluções Normativas focadas no incentivo à Geração de Energia Solar Fotovoltaica. A REN nº 482 de 2012, foi a responsável por estabelecer o sistema de compensação que possibilita que a energia gerada possa ser transmitida para a rede de distribuição, criando, assim, os créditos.

Em 2015, a atualização da REN nº 482 e a publicação da REN nº 687, deram origem à criação das modalidades de autoconsumo remoto e de geração compartilhada, além de revisar outros pontos da REN anterior.

Em complemento, o Convênio nº101/97 do Conselho Nacional de Política Fazendária (CONFAZ) estabelece a “(…) isenção de ICMS nas operações com equipamentos e componentes para o aproveitamento das energias solar e eólica”. Enquanto o Convênio nº 16/2015 estabelece a isenção nas operações internas relativas à circulação de energia, o que faz com que vários erros de cálculo, que levavam em conta o consumo bruto como base do ICMS, fossem corrigidos e atualizados de acordo com o Sistema de Compensação de Energia Elétrica.

 

Incentivos de Financiamento à Economia Verde

sustentabilidade energia solar

Pensando sobre a acessibilidade financeira e como forma de viabilizar a instalação de sistemas de energia solar fotovoltaica, vários bancos e algumas cooperativas de crédito já possuem linhas de financiamento específicas para aquisição do sistema.

Tanto bancos públicos quanto privados possuem opções de financiamento, a exemplo da Caixa Econômica Federal, na qual é possível financiar o sistema fotovoltaico pela linha de crédito Construcard, voltada para a aquisição de materiais de construção. Os juros giram em torno de 2,5% a.m. e tudo pode ser parcelado em até 240 vezes.

Da mesma forma, o BNDES financia até 80% do custo total da obra de projetos maiores com juros de 7,5% ao ano. Com a obrigatoriedade de participação de, pelo menos, 20% nos custos, o investidor ainda pode emitir debêntures, de modo que o próprio BNDES se compromete a adquirir até metade.

Banco do Brasil, Santander e BV estão entre outras opções de bancos nos quais é possível adquirir o financiamento. 

No cenário do cooperativismo de crédito, o Sicredi se destaca como a primeira instituição financeira cooperativa brasileira a receber certificação emitida pela Climate Bonds Initiative (CBI), organização internacional que atua para promover investimentos na economia de baixo carbono, ao realizar a captação de US$ 120 milhões (cerca de R$ 600 milhões) de crédito internacional, junto à International Finance Corporation (IFC), para financiar projetos de energia solar dos seus associados em todo o Brasil.

Enquanto as discussões acerca dos subsídios seguem acontecendo no governo, os consumidores-geradores se beneficiam dos incentivos, usufruindo dos créditos sobre a energia excedente gerada. Ainda que a PL seja aprovada, os consumidores que já possuem sistemas instalados tendem a se encaixar na transição por um longo período, o que representa benefício a quem já tem um sistema de energia solar fotovoltaica em casa. Ou seja, a hora de planejar o seu sistema é agora mesmo.

 

Ficou interessado em investir em energia solar? Então conte com a Solstar para realizar o seu projeto. Faça um orçamento sem compromisso e descubra a economia que você está está perdendo!

 

Learn More

A energia Solar e Os Impactos na Sustentabilidade

Os recursos do planeta são um assunto cada vez mais popular quando falamos sobre meios limpos de consumo. Esse tema é de extrema importância quando pensamos na qualidade de vida humana e na preservação do meio ambiente.

Você já pode saber, mas a energia fotovoltaica, também conhecida como energia solar, é um recurso limpo e reutilizável que pode não apenas beneficiar o bolso dos consumidores, mas evitar a poluição do planeta em que vivemos e potencializar a sustentabilidade.

Confira todas as informações sobre este assunto abaixo.

 

O que é uma energia limpa?

energia solar sustentabilidade

A energia fotovoltaica é considerada uma energia limpa justamente pelo baixo impacto ambiental, diferente de uma fonte tradicional de rede elétrica. Este sistema conta um recurso renovável e com uma presença constante na vida dos brasileiros: a luz solar. E é justamente por isso que o meio é tão recomendado para a preservação ambiental. 

Ao contrário de outros meios de energia elétrica, que podem emitir gases poluentes como óxidos de nitrogênio (NOx), dióxido de enxofre (SO2) e, o mais conhecido e temido dióxido de carbono (CO2), a energia solar conta com uma baixa taxa de emissão de poluentes e, mesmo com essa produção, ela não prejudica diretamente o meio ambiente.

É válido lembrar que a produção de gases como CO2, NOx e SO2 também são responsáveis pelo aquecimento global e prejudicam diretamente o futuro do planeta e das próximas gerações.

 

A importância solar na sustentabilidade

Com a escassez de recursos que presenciamos atualmente, a tecnologia tende a avançar cada vez mais para encontrar novos meios de consumo sem maiores impactos para o planeta. E o sistema fotovoltaico é um resultado dessas alternativas limpas de consumo.

Confira alguns dos benefícios da energia solar para o meio ambiente:

 

  • Reduz a poluição por fontes contaminadoras, como o carvão
  • Sem produção direta de gases do efeito estufa
  • Diminui o desmatamento de áreas verdes
  • Impede a elevação de uso de recursos naturais não renováveis
  • Evita possíveis acidentes de barragens, que podem prejudicar o meio ambiente e a população

No momento atual do planeta, é possível notar que encontrar meios renováveis de consumo é essencial para não apenas a preservação ambiental, como garantir que as próximas gerações tenham fontes sustentáveis para viver. 

Esse tipo de recurso torna-se cada dia mais importante e a busca para ampliação da energia solar é essencial para que a sustentabilidade seja parte do dia a dia de residências, comércios e fazendas em todo o mundo. 

 

O sistema fotovoltaico é realmente sustentável?

fontes de energia limpa

Como a sua matéria prima é originada diretamente da natureza, sem necessidade de explorações ou extrações agressivas, sim, a energia solar é um meio sustentável e que não agride o meio ambiente.

Sem contar com a iluminação de casas e comércios, esse tipo de energia limpa também é capaz de diversas utilizações para impedir os maus tratos ao meio ambiente, como o aquecimento de água para consumo, redes elétricas para tomadas e aparelhos eletrônicos.

A geração de energia proveniente do sol, ao contrário dos meios tradicionais, é feita de forma financeiramente econômica ao bolso dos consumidores, assim como de forma ambientalmente consciente.

 

Certificações da energia solar

Para atestar a segurança e preservação do meio ambiente, ao falarmos da instalação de um sistema de energia solar, é possível identificar diversos tipos de selos e certificados que garantem os benefícios sustentáveis do material. Confira alguns deles:

 

Processo AQUA-HQE

Certificado internacional dentro das construções sustentáveis considerando a cultura, clima e normas técnicas e de regulamentação brasileiras. Essa certificação é desenvolvida a partir da empresa francesa Démarche HQE (Haute Qualité Environmentale).

 

BREEAM

Conhecida como Building Research Establishment Environmental Assessment Method (BREEAM), este é um processo que entende o desempenho ambiental para empreendimentos imobiliários. Utiliza um sistema de pontuação para garantir os benefícios de instalações sustentáveis para o meio ambiente por meio de 10 aspectos:

  • Gestão da construção
  • Consumo de energia 
  • Água 
  • Contaminação
  • Materiais
  • Saúde e bem-estar
  • Transporte
  • Gestão de resíduos 
  • Ecologia
  • Inovação

DGNB

Desenvolvido pelo Conselho de Construção Sustentável da Alemanha (German Sustainable Building Council), o DGNB é um certificado internacional que prevê estabelecer um padrão de qualidade dentro das instalações feitas em prol do meio ambiente. Dentro dele, também é possível comparar diretamente as instalações entre os países e estimular a adoção de meios sustentáveis.

 

LEED

O Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), é um sistema internacional para certificar e orientar as instalações, como da energia solar, e preservação sustentáveis. Ela tem como foco incentivar projetos e obras que contem com benefícios sustentáveis.

 

Procel Edifica

Este selo tem o objetivo de identificar construções sustentáveis e apresentar as melhores classificações de eficiência energética dentro da categoria que a instalação se encaixa, desejando incentivar cada vez mais o uso de meios renováveis e imóveis mais eficientes.

 

Casa Azul 

Uma iniciativa da Caixa Econômica Federal, este selo é a classificação encontrada pelo banco para promover o uso racional de recursos naturais nas construções, além da melhoria no bem-estar e qualidade de habitação dos brasileiros. Utiliza 53 critérios de qualidade divididos em 6 categorias:

  • Qualidade urbana
  • Projeto e conforto 
  • Eficiência energética
  • Conservação de recursos materiais 
  • Gestão de água
  • Práticas sociais

Selo Solar

Concedido para empresas públicas ou privadas que consomem um valor mínimo de eletricidade solar anualmente. 

São muitas as formas de garantir a sustentabilidade e preservação dos recursos naturais e, ao buscar uma empresa de implementação de energia solar, é importante se orientar e questionar sobre os certificados trabalhados no projeto. 

Além de afirmar os benefícios ambientais, os certificados e selos também servem para obter incentivos, descontos na instalação, financiamentos, diferenciais competitivos e engajamento social dentro e fora da sua empresa ou residência.

 

Investimento que preserva o meio ambiente

A energia fotovoltaica é mais do que um incentivo: têm se tornado cada vez uma obrigação de pessoas físicas e jurídicas para apoiar meios renováveis para o meio ambiente, que conta com recursos limitados.

Os avanços tecnológicos são um grande aporte para seguir um caminho mais sustentável, além de estarem cada vez mais acessíveis nos últimos anos. No Brasil, por exemplo, foi possível notar um aumento de 70% das instalações fotovoltaicas em 2020, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

Esse dado mostra uma tendência positiva no mercado brasileiro, que vem acompanhando os avanços internacionais para um mundo cada vez mais solar.

A troca de meios tradicionais de energia pela distribuição solar deve ser tratado como um investimento na sustentabilidade, uma vez que não apenas traz um retorno financeiro dentro de 4 a 6 anos para o bolso do consumidor, mas é uma forma de impedir que os recursos naturais se esgotem no planeta.

 

Simule uma instalação fotovoltaica

Os indícios de um futuro cada vez mais sustentável e solar estão crescendo a cada dia. Fazer parte de um futuro que não agride diretamente o meio ambiente é a forma mais consciente e útil rumo a preservação. 


Que tal fazer parte desse futuro? Simule gratuitamente a instalação do sistema fotovoltaico no site da Solstar. Clique aqui para fazer uma simulação sem compromisso e descobrir a economia que você está deixando de ter!

 

Learn More

Manutenção do Painel Solar: Tudo Que Você Precisa Saber

Como qualquer tipo de equipamento, os painel solar também precisa de manutenção para prolongar a sua vida útil e funcionamento. Apesar de necessitarem de baixos cuidados, podendo durar até 25 anos, é importante considerar um item obrigatório para mantê-lo ativo: a limpeza desta instalação.

A sujeira acumulada nos painéis fotovoltaicos pode não apenas prejudicar a captação de energia, como reduzir o desempenho dos eletrodomésticos que contam com a luz do sol para o seu funcionamento.

Apesar disso, esse processo de manutenção é bastante simples e pode ser feito pelos próprios moradores ou funcionários da sua residência, comércio ou fazenda. Além de também ser possível a contratação de especialistas para que o processo seja feito uma vez ao ano, ou a cada 6 meses.

 

Como os painéis fotovoltaicos ficam sujos

 manutenção energia solar

É comum notar o acúmulo de poeira ou objetos levados com o vento nos painéis solares, principalmente por essas instalações estarem completamente expostas à luz solar, chuva, animais e possíveis ventanias.

Neste sentido, os painéis instalados nos telhados da sua residência, fazenda ou comércio, podem contar com sujeiras da rotina como folhas e pó. Em cidades como São Paulo, na qual problemas causados pela poluição são frequentes, os painéis tendem a acumular finas camadas de poeira com o tempo.

O que você pode não saber é que esse tipo de sujeira impacta negativamente o funcionamento do sistema fotovoltaico. Mas, para isso, existe uma solução bastante simples: a manutenção do painel de energia solar.

 

Motivos para realizar a manutenção do painel fotovoltaico

A limpeza do seu painel solar é considerada uma manutenção simples para manter o funcionamento ideal da instalação. Portanto, é recomendado que esse procedimento seja feito pelo menos uma vez ao ano.

Em locais com mais poluição, tempo seco e poucas chuvas, o ideal é que o processo seja realizado a cada 6 meses para que os impactos causados pela sujeira sejam quase inexistentes.

Apesar dessa condição não reduzir a vida útil do painel fotovoltaico, ela causa perda de produção das instalações. O Laboratório Nacional de Energias Renováveis (NREL), nos Estados Unidos, indica que é possível notar 25% de perda na capacidade de produção e distribuição de energia quando os painéis estão sujos.

Segundo a mesma pesquisa, é possível notar que 30% de pessoas que possuem o sistema fotovoltaico, nunca fizeram quaisquer limpezas em seus painéis solares. É necessário levar em conta que quanto mais sujeira, menor será o desempenho dos dispositivos conectados à rede de energia solar.

A falta de manutenção pode afetar negativamente o sistema de energia solar, portanto, é sempre recomendado seguir as orientações passadas pela própria empresa de instalação, que também é uma das alternativas para manter o seu painel solar limpo.

 

Quem pode fazer a limpeza de um painel solar?

Comentamos como os painéis solares podem acumular sujeira e, também, sobre a redução significativa de produção dessa instalação, que pode chegar em até 25% de impacto para quem possui esse sistema de energia. Mas, afinal, como a limpeza pode ser feita?

Diferente do que se pode pensar, esse procedimento é bastante simples, basta contar com uma escova macia e um cabo grande que alcance o telhado do local. Por medidas de segurança, é sempre recomendado fazer esse procedimento no chão, evitando subir no telhado para qualquer tipo de limpeza.

O processo pode ser feito tanto em instalações residenciais, pelos próprios moradores, quanto em comércios, pelos funcionários já responsáveis pela limpeza local.

É importante ressaltar que quanto maior o local, maior será o painel solar e é possível que os equipamentos disponíveis não sejam o suficiente para uma limpeza completa. Caso note que existe um acúmulo muito grande de sujeira no painel fotovoltaico, ou algum espaço que não seja possível alcançar, contate a empresa que realizou a instalação.

 

6 passos necessários para limpar os painéis solares

 manutenção energia solar

Parece difícil, mas esse processo de manutenção do painel solar é bastante simples e pode ser aperfeiçoado com a prática! Confira 6 dicas essenciais para melhorar ainda mais o rendimento na limpeza do seu sistema de energia solar:

 

  1. Desligue o sistema fotovoltaico para realizar a manutenção seguindo o manual ou orientações já deixadas pela empresa de instalação
  2. Nunca suba no telhado para fazer a limpeza! Tenha em mente que a segurança nesse tipo de procedimento é essencial
  3. Use uma escova macia e um cabo de longa extensão que alcance o telhado da sua residência ou comércio sem necessidade de subir em escadas ou no telhado
  4. Para melhorar ainda mais o processo de limpeza, use uma mangueira de bico adequada para que jatos de água cheguem até as áreas mais distantes do painel. Tenha cuidado: não aplique pressão e não bata a mangueira nos painéis para não prejudicar a instalação
  5. Aproveite os dias nublados para a limpeza dos painéis solares! Se o dia estiver ensolarado, a água irá evaporar com facilidade, dificultando o processo
  6. O melhor horário para a limpeza é durante a manhã. Isso porque a umidade durante a madrugada tende a amolecer a sujeira acumulada nos painéis, fazendo com que a limpeza neste período seja mais fácil

 

Além de seguir as recomendações feitas pela instaladora, é importante não usar objetos metálicos ou produtos químicos no processo de limpeza. Esses itens podem riscar os painéis fotovoltaicos e prejudicar o desempenho da instalação.

Caso sinta a necessidade de usar algo além da água para remover os resíduos, contate a empresa de energia solar de sua preferência para que esse procedimento possa ser realizado com equipamentos qualificados para esse tipo de manutenção.

 

O efeito da chuva nos painéis solares

Os dias chuvosos podem fazer com que o seu sistema fotovoltaico tenha uma redução de captação de energia, entretanto eles são momentos ideais para a limpeza natural desta instalação.

Em locais que contam com chuvas semanais, por exemplo, espera-se que esse próprio fenômeno meteorológico se livre das camadas de poeira e outros tipos de sujeira que podem ser encontradas nos painéis.

Mesmo assim, é recomendado que a manutenção do painel solar seja feita com a periodicidade de 1 ano, ou a cada 6 meses, para manter o desempenho do seu sistema durante os seus até 25 anos de vida útil.

 

Invista em uma energia limpa 

O sistema fotovoltaico conta com diversas vantagens para o meio ambiente e para o bolso dos consumidores. Na Solstar, o processo de instalação é feito por pessoas especializadas e materiais de ponta para o melhor desempenho possível do seu painel solar.

Quer saber como fazer parte de um mundo cada vez mais solar? Acesse nosso site e comece descobrindo o investimento necessário para a sua instalação. Clique aqui para simular e reduzir a sua conta de luz agora mesmo!

 

Learn More

Energia Solar Fotovoltaica: Guia com Tudo Que Você Precisa Saber

A mais popular entre as energias de fonte renovável, a energia solar fotovoltaica tem ganhado o coração dos brasileiros em todos os cantos. Seja pelo seu forte apelo sustentável ou pelo potencial de economia, está cada vez mais comum linhas de financiamento de painéis solares.

Quer entender de vez como esse sistema funciona? Então, esse guia foi feito para você. Reunimos aqui as principais dicas e informações para você ficar por dentro do assunto e entender como a energia solar fotovoltaica pode te ajudar.

 

Como funciona?

como funciona a energia solar

Antes de mais nada, vamos aproveitar para esclarecer como esse sistema funciona, até para ajudar quem está chegando agora no assunto. A exemplo de outros processos de geração de eletricidade, a energia solar se transforma em energia elétrica por meio de um processo de conversão.

Os painéis solares que compõem o sistema fotovoltaico captam a irradiação solar, ou energia eletromagnética, para então convertê-la em energia elétrica. É a partir desta conversão que podemos utilizar esta fonte de energia para alimentação de todos os aparelhos eletroeletrônicos e sistemas de iluminação e climatização em nossas residências e empresas.

Isso explica porque a energia fotovoltaica é chamada de energia limpa, proveniente de fonte renovável e também porque o Brasil tem um alto potencial de geração de energia solar fotovoltaica. 

 

Mas então, como ficam as noites e dias nublados ou de chuva?

Mesmo nos dias nublados ou de pouca incidência solar, o sistema continuará gerando energia elétrica. É verdade que em menor escala do que nos dias altamente ensolarados. À noite, no entanto, o sistema não é capaz de gerar energia, uma vez que não existe irradiação solar nesse período.

É para atender as noites e dias de menor incidência que servem os sistemas de armazenamento, compostos por baterias e o sistema de compensação, homologado pela ANEEL.  Enquanto o primeiro é totalmente independente, mas gera novos custos, o segundo cria uma relação com a concessionária na qual o consumidor-gerador recebe créditos pela energia excedente gerada na sua unidade e injetada na rede pública.

 

Economiza mesmo?

energia solar economia

A boa notícia é que sim! Num percentual de até 95% do valor atual da sua conta de luz. Já no primeiro mês após a instalação, você vai perceber o quanto a sua conta de energia pode reduzir. Afinal, durante todo o dia, enquanto houver sol, o sistema fotovoltaico da sua casa ou empresa está gerando energia elétrica para utilização no imóvel.

Corre aqui para entender todos os detalhes sobre como a energia solar gera economia na sua conta de luz.

 

Como acontece a instalação?

O primeiro passo é contatar uma empresa especializada, como a Solstar, capaz de apoiar desde o projeto até a homologação. Com base no consumo médio da unidade consumidora (sua casa ou empresa), a especializada orienta e desenvolve o projeto com o melhor kit para suprir a demanda dessa unidade.  

Todas as demais etapas são assistidas pela especializada. Com o projeto aprovado, a instalação dos painéis é muito rápida, podendo ser resolvida em apenas um dia, dependendo do tamanho do imóvel. 

Se você ficou interessado em saber mais sobre como é e quanto custa a instalação do sistema fotovoltaico, é só clicar aqui.

 

E quanto custa energia solar fotovoltaica?

Tudo depende do padrão de consumo daquela unidade, residência ou empresa. Numa breve estimativa, uma residência com quatro moradores tem demanda para um sistema que, incluindo equipamento, instalação e suporte, custa entre R$15 e R$18 mil. 

Os custos são estimados com base no kit de equipamentos necessário para atender a unidade e também na sua respectiva instalação e projeto. No passo em que os custos com equipamento variam pelo tamanho do imóvel e consumo médio mensal, os custos de projeto e instalação consideram questões como: 

 

  • Distância do local de instalação; 
  • Altura do telhado e facilidade de acesso;
  • Tipo de telhado (superfície) na qual os painéis solares serão instalados; 
  • Estrutura e condições do telhado no ato da instalação;
  • Distância entre quadro de luz e local de instalação dos painéis.

O que você não pode esquecer é que o retorno sobre o investimento é garantido, num período entre 3 e 6 anos, podendo ser reduzido em regiões de maior incidência solar como o Nordeste do Brasil e que o sistema dura pelo menos 25 anos.

 

Financiamento

Como forma de viabilizar a instalação do sistema de energia solar fotovoltaica em residências e empresas, inúmeros bancos, públicos ou privados, e cooperativas de crédito têm ofertado linhas de financiamento especiais para aquisição e instalação de painéis solares. 

Desta forma, você faz o investimento e consegue pagar as parcelas somente com os valores economizados na conta de energia. Genial, não é? Essas linhas têm sido cada vez mais difundidas e incentivadas por instituições que promovem a economia verde, aquela combinação de desenvolvimento com preservação do meio ambiente e recursos naturais.

 

Legislação

É claro que uma iniciativa que transforma o consumidor em gerador de energia, não deixaria de ser assistida por uma série de regras e legislações dos órgãos reguladores. Desde 2012, está em vigência a RN 482/2012 da ANEEL, uma resolução normativa que permitiu que consumidores comuns tivessem acesso à rede de distribuição de baixa tensão a fim de produzir energia elétrica para consumo próprio. 

Esta RN, além de definir a premissa de que somente podem ser instalados sistemas vinculados à energia de fonte renovável, trata sobre as conceituações de micro e minigeração, estabelece todas as condições e cria, por exemplo, o regime de compensação pela energia excedente injetada na rede.

 

Geração Distribuída

geração distribuida de energia

Geração Distribuída é o nome dado ao processo de geração de energia elétrica no local de consumo, ou próximo dele, por meio de um sistema conectado à rede pública, para a qual será distribuída a energia excedente após o consumo próprio.

Regulamentada pela ANEEL e tendo como requisito a geração de energia por meio de fontes renováveis como a energia solar, a geração distribuída tem como principal atrativo o recebimento de créditos pela energia excedente gerada e injetada na rede. Assim, o consumidor-gerador pode contratar a energia necessária para usar à noite e abater esses créditos na conta da concessionária. 

Aqui você pode saber tudo sobre Geração Distribuída. Agora que você já teve acesso ao guia completo sobre a energia solar fotovoltaica, que tal conhecer os projetos da Solstar para começar a planejar o seu? Com a Solstar você tem expertise e apoio especializado, do projeto até a homologação.

 

Simulação

Já está curioso para ter ideia de quanto custa a energia solar para a sua casa ou empresa e o potencial de economia? Então a dica aqui é acessar agora mesmo o Simulador da Solstar. Preencha o formulário para receber a simulação completa com o valor estimado do investimento e projeção de economia ao longo dos próximos 25 anos.

 

Learn More

Dicas Para a Sua Empresa Economizar na Conta de Energia

Dicas Para a Sua Empresa Economizar na Conta de Energia

 

O planejamento financeiro é a base da gestão empresarial. É ele quem permite avaliar a saúde da empresa, seu potencial de crescimento e planejar investimentos. Simplificando, consiste em conhecer e, principalmente, controlar as despesas e receitas da empresa para identificar o cenário atual e desenhar os futuros. Entre as despesas para economizar que costumam atrapalhar os planos, estão as variáveis, aquelas difíceis para estimar, como é o caso da energia elétrica. Ela é essencial para toda empresa, em maior ou menor escala, mas que exige uso consciente acima de tudo. 

Para algumas empresas e atividades, a energia elétrica é o recurso de maior impacto na operação, um bom exemplo disso está na indústria. Na operação industrial, a falta de energia ou suas oscilações não vão impactar apenas na conta de energia, mas em toda a performance do negócio e suas projeções comerciais e financeiras. 

É por tudo isso que consumir energia de forma consciente é uma visão que, além de responsável, é sustentável. Oferecendo o benefício de aliar as questões econômicas com as ambientais e sociais. 

Quer saber mais sobre como a sua empresa pode adotar o consumo consciente de energia? Aqui você encontra as 8 principais dicas para economizar na conta de energia. 

 

1 – Iluminação: dê preferência às opções mais econômicas, como o LED

economizar energia com LED

Antes de tudo, conte com apoio profissional para planejar a sua iluminação. Assim, é possível definir a disposição das lâmpadas para melhor aproveitamento, economia e conforto visual para o ambiente e a atividade da sua empresa. Um bom profissional ainda vai recomendar os materiais que melhor se aplicam ao espaço. 

As lâmpadas de LED têm sido as mais recomendadas nos projetos de iluminação. Com destaque para o menor consumo de energia, a iluminação de LED oferece inúmeros benefícios. Hoje, é possível encontrar todos os tipos de lâmpadas, painéis, placas, fitas, balizadores, arandelas e demais materiais em LED. O que assegura um projeto econômico com mais eficiência e sem perder em nada na estética. 

Para ambientes corporativos e industriais, ainda existem outras soluções que podem aumentar a eficiência da iluminação e economizar na conta de energia. É o caso dos sensores de movimento, que acionam e desligam a iluminação automaticamente, e dos LEDs dimerizáveis, com os quais é possível regular a intensidade da luz para se adaptar melhor à atividade e à incidência de luz natural.

 

2 – Ambiente: adapte para aproveitar

Com exceção de alguns negócios que seguem regras técnicas e sanitárias para preparação do ambiente, como unidades de saúde, frigoríficos e etc., todas as outras podem usar a pintura e decoração a favor da sua economia. 

Ao optar por cores claras nas paredes e mobília, é possível otimizar a eficiência da iluminação e, consequentemente, reduzir custos. As cores claras ampliam a sensação de luminosidade, reforçando a incidência de luz natural e tornando desnecessário acender todas as luzes. Além disso, em ambientes em que seja possível, reduzir o número de divisórias também contribui para que a luz se difunda melhor, contribuindo com a iluminação do espaço de modo geral.

 

3 – Iluminação Natural 

Aproveitar ao máximo a luz natural é uma dica básica, porém fundamental. Para isso, basta planejar a organização das estações de trabalho mais próximas das janelas ou abrir espaço nas paredes para instalar mais janelas (quando possível, é claro). 

Outro recurso são os domus de iluminação natural, uma excelente fonte para indústrias economizar nos custos com energia. Ao utilizar essas estruturas, suas aberturas estratégicas ampliam a entrada da luz natural, aumentando a eficiência energética da fábrica; assim, o ambiente é iluminado até oito vezes mais que ao usar uma janela normal e tanto colaboradores quanto maquinário ficam protegidos.

 

4 – Ventilação Natural e Isolamento Térmico

Economia nos custos da energia

Entre os vilões da conta de energia, despontam os equipamentos de climatização como ar condicionado, sistemas de exaustão e ventiladores. Nos grandes espaços como as indústrias, a dificuldade aumenta na mesma proporção da conta de energia. Em alguns casos, no entanto, a climatização é fator chave para a operação. 

Investimentos em adaptações para otimização de ventilação natural e isolamento térmico surgem como alternativa para reduzir a necessidade de uso de equipamentos de climatização e promoção de um ambiente mais confortável nos aspectos térmicos. Em algumas regiões de climas severos, no entanto, não existe como fugir do suporte elétrico para garantir as condições de trabalho e até de armazenamento de produtos. Nesses casos, a dica #8 é a chave: energia solar para empresas.

 

5 – Equipamentos: revisão que gera eficiência 

Essa dica vale para todo o tipo e porte de empresa que quer economizar na conta de energia, mas é verdade que indústrias e outras empresas que utilizam bastante maquinário são as que mais percebem seu efeito. Equipamentos antigos ou pendentes de manutenção tendem a consumir muito mais energia do que as novas versões ou as bem calibradas. Isso vale para o frigobar da copa, como vale para uma máquina de produção industrial.

É claro que substituir uma TV ou geladeira pela sua versão atual, com selo Procel de baixo consumo de energia, é infinitamente mais simples do que trocar uma máquina de papel, por exemplo. No entanto, um bom planejamento de manutenção e revisão elétrica podem contribuir para a redução da conta de energia. E como não poderíamos deixar de mencionar: muitas vezes, investir em equipamentos atualizados tem um retorno expressivo sobre o investimento. Você ganha em desempenho, ajuda o meio ambiente usando versões atualizadas e mais ecológicas e ainda economiza.

 

6 – Trabalho em equipe: conscientize seus colaboradores 

Sabe aquele adesivo que você já viu por aí, pedindo que a pessoa apague a luz ao sair? É isso mesmo. No ambiente de trabalho, economizar na conta de energia é muito maior quando os esforços são compartilhados, afinal, de nada adianta a intenção do gestor se o time não comprar a meta.

Campanhas de incentivo e informativas produzem grandes resultados em engajamento e resultados. Busque conscientizar seus colaboradores sobre o potencial do consumo consciente, apresentando os benefícios que isso traz para a empresa e até mesmo compartilhando dicas que possam ser replicadas em casa. Vale definir uma meta compartilhada e reconhecer os resultados de alguma forma, isso motiva a seguir economizando. Só não esqueça de dar o exemplo sempre.

 

7 – Horários de Pico: busque a flexibilização para evitá-los 

O pico de consumo de energia no país costuma se dar entre 17h e 22h, por isso existem as diferentes bandeiras que, consequentemente, impactam no valor das tarifas. São os horários em que o maior número de pessoas está em casa e também demandam maior utilização de iluminação artificial. 

Nos casos em que for possível, sugere-se a flexibilização da jornada para evitar o uso de energia nas faixas de pico. É claro que fábricas que operam em turnos não fogem de rodar nesses horários, é por isso que soluções como fontes de energia renovável, a exemplo da energia solar fotovoltaica, podem ser fundamentais para a economia, captando energia solar durante o dia, armazenando em baterias e utilizando durante a noite.

 

8 – Energia solar: o nocaute na conta de energia

economia com energia solar

Essa dica ficou por último porque ela sozinha resolve muitos outros pontos. O sistema de energia solar para empresas reduz em até 95% a conta de energia, dependendo claro do tipo de operação e método de utilização. 

Tanto as pequenas empresas encontram vantagens na energia solar, como grandes indústrias e operações também possuem excelentes recursos ao utilizar essa energia de fonte renovável como ferramenta na busca pela autossuficiência energética. 

Embora ainda não seja tão difundida, a energia solar é uma das formas mais eficientes de reduzir custos com energia, sem perder eficiência. São inúmeros os benefícios, incluindo a possibilidade de não depender da rede de distribuição ou ficar refém da disponibilidade e das oscilações. 

O investimento tem retorno garantido no médio prazo e, além de ser extremamente sustentável, ainda gera economia para investimento no negócio. Como forma de viabilizar a instalação em muitas empresas, existem linhas de financiamento especial – voltadas à economia verde – que podem ser contratadas pelo empresário. 

 

Saiba tudo sobre como funciona a energia solar para empresas e comece a planejar o seu projeto.

 

A Solstar é empresa especializada em energia solar e garante as melhores soluções para apoiar a sua empresa em todas as etapas dessa missão. Faça uma rápida simulação e descubra quanto você está deixando de economizar em energia!

O planejamento financeiro é a base da gestão empresarial. É ele quem permite avaliar a saúde da empresa, seu potencial de crescimento e planejar investimentos. Simplificando, consiste em conhecer e, principalmente, controlar as despesas e receitas da empresa para identificar o cenário atual e desenhar os futuros. 

Entre as despesas que costumam atrapalhar os planos, estão as variáveis, aquelas que é difícil estimar ou que, em alguns picos, dão um salto e consomem economias. É o caso da energia elétrica. Essencial para toda empresa, em maior ou menor escala, mas que exige uso consciente acima de tudo. 

Para algumas empresas e atividades, a energia elétrica é o recurso de maior impacto na operação, um bom exemplo disso está na indústria. Na operação industrial, a falta de energia ou suas oscilações não vão impactar apenas na conta de energia, mas em toda a performance do negócio e suas projeções comerciais e financeiras. 

É por tudo isso que consumir energia de forma consciente é uma visão que, além de responsável, é sustentável. Oferecendo o benefício de aliar as questões econômicas com as ambientais e sociais. 

Quer saber mais sobre como a sua empresa pode adotar o consumo consciente de energia? Aqui você encontra as 8 principais dicas para economizar na conta de energia. 

 

1 – Iluminação: dê preferência às opções mais econômicas, como o LED

Antes de tudo, conte com apoio profissional para planejar a sua iluminação. Assim, é possível definir a disposição das lâmpadas para melhor aproveitamento, economia e conforto visual para o ambiente e a atividade da sua empresa. Um bom profissional ainda vai recomendar os materiais que melhor se aplicam ao espaço. 

As lâmpadas de LED têm sido as mais recomendadas nos projetos de iluminação. Com destaque para o menor consumo de energia, a iluminação de LED oferece inúmeros benefícios. Hoje, é possível encontrar todos os tipos de lâmpadas, painéis, placas, fitas, balizadores, arandelas e demais materiais em LED. O que assegura um projeto econômico com mais eficiência e sem perder em nada na estética. 

Para ambientes corporativos e industriais, ainda existem outras soluções que podem aumentar a eficiência da iluminação e economizar na conta de energia. É o caso dos sensores de movimento, que acionam e desligam a iluminação automaticamente, e dos LEDs dimerizáveis, com os quais é possível regular a intensidade da luz para se adaptar melhor à atividade e à incidência de luz natural.

 

2 – Ambiente: adapte para aproveitar

Com exceção de alguns negócios que seguem regras técnicas e sanitárias para preparação do ambiente, como unidades de saúde, frigoríficos e etc., todas as outras podem usar a pintura e decoração a favor da sua economia. 

Ao optar por cores claras nas paredes e mobília, é possível otimizar a eficiência da iluminação e, consequentemente, reduzir custos. As cores claras ampliam a sensação de luminosidade, reforçando a incidência de luz natural e tornando desnecessário acender todas as luzes. Além disso, em ambientes em que seja possível, reduzir o número de divisórias também contribui para que a luz se difunda melhor, contribuindo com a iluminação do espaço de modo geral.

 

3 – Iluminação Natural 

Aproveitar ao máximo a luz natural é uma dica básica, porém fundamental. Para isso, basta planejar a organização das estações de trabalho mais próximas das janelas ou abrir espaço nas paredes para instalar mais janelas (quando possível, é claro). 

Outro recurso são os domus de iluminação natural, uma excelente fonte para indústrias economizar nos custos com energia. Ao utilizar essas estruturas, suas aberturas estratégicas ampliam a entrada da luz natural, aumentando a eficiência energética da fábrica; assim, o ambiente é iluminado até oito vezes mais que ao usar uma janela normal e tanto colaboradores quanto maquinário ficam protegidos.

 

4 – Ventilação Natural e Isolamento Térmico 

Entre os vilões da conta de energia, despontam os equipamentos de climatização como ar condicionado, sistemas de exaustão e ventiladores. Nos grandes espaços como as indústrias, a dificuldade aumenta na mesma proporção da conta de energia. Em alguns casos, no entanto, a climatização é fator chave para a operação. 

Investimentos em adaptações para otimização de ventilação natural e isolamento térmico surgem como alternativa para reduzir a necessidade de uso de equipamentos de climatização e promoção de um ambiente mais confortável nos aspectos térmicos. Em algumas regiões de climas severos, no entanto, não existe como fugir do suporte elétrico para garantir as condições de trabalho e até de armazenamento de produtos. Nesses casos, a dica #8 é a chave: energia solar para empresas.

 

5 – Equipamentos: revisão que gera eficiência 

Essa dica vale para todo o tipo e porte de empresa que quer economizar na conta de energia, mas é verdade que indústrias e outras empresas que utilizam bastante maquinário são as que mais percebem seu efeito. Equipamentos antigos ou pendentes de manutenção tendem a consumir muito mais energia do que as novas versões ou as bem calibradas. Isso vale para o frigobar da copa, como vale para uma máquina de produção industrial.

É claro que substituir uma TV ou geladeira pela sua versão atual, com selo Procel de baixo consumo de energia, é infinitamente mais simples do que trocar uma máquina de papel, por exemplo. No entanto, um bom planejamento de manutenção e revisão elétrica podem contribuir para a redução da conta de energia. E como não poderíamos deixar de mencionar: muitas vezes, investir em equipamentos atualizados tem um retorno expressivo sobre o investimento. Você ganha em desempenho, ajuda o meio ambiente usando versões atualizadas e mais ecológicas e ainda economiza.

 

6 – Trabalho em equipe: conscientize seus colaboradores 

Sabe aquele adesivo que você já viu por aí, pedindo que a pessoa apague a luz ao sair? É isso mesmo. No ambiente de trabalho, economizar na conta de energia é muito maior quando os esforços são compartilhados, afinal, de nada adianta a intenção do gestor se o time não comprar a meta.

Campanhas de incentivo e informativas produzem grandes resultados em engajamento e resultados. Busque conscientizar seus colaboradores sobre o potencial do consumo consciente, apresentando os benefícios que isso traz para a empresa e até mesmo compartilhando dicas que possam ser replicadas em casa. Vale definir uma meta compartilhada e reconhecer os resultados de alguma forma, isso motiva a seguir economizando. Só não esqueça de dar o exemplo sempre.

 

7 – Horários de Pico: busque a flexibilização para evitá-los 

O pico de consumo de energia no país costuma se dar entre 17h e 22h, por isso existem as diferentes bandeiras que, consequentemente, impactam no valor das tarifas. São os horários em que o maior número de pessoas está em casa e também demandam maior utilização de iluminação artificial. 

Nos casos em que for possível, sugere-se a flexibilização da jornada para evitar o uso de energia nas faixas de pico. É claro que fábricas que operam em turnos não fogem de rodar nesses horários, é por isso que soluções como fontes de energia renovável, a exemplo da energia solar fotovoltaica, podem ser fundamentais para a economia, captando energia solar durante o dia, armazenando em baterias e utilizando durante a noite.

 

8 – Energia solar: o nocaute na conta de energia 

Essa dica ficou por último porque ela sozinha resolve muitos outros pontos. O sistema de energia solar para empresas reduz em até 95% a conta de energia, dependendo claro do tipo de operação e método de utilização. 

Tanto as pequenas empresas encontram vantagens na energia solar, como grandes indústrias e operações também possuem excelentes recursos ao utilizar essa energia de fonte renovável como ferramenta na busca pela autossuficiência energética. 

Embora ainda não seja tão difundida, a energia solar é uma das formas mais eficientes de reduzir custos com energia, sem perder eficiência. São inúmeros os benefícios, incluindo a possibilidade de não depender da rede de distribuição ou ficar refém da disponibilidade e das oscilações. 

O investimento tem retorno garantido no médio prazo e, além de ser extremamente sustentável, ainda gera economia para investimento no negócio. Como forma de viabilizar a instalação em muitas empresas, existem linhas de financiamento especial – voltadas à economia verde – que podem ser contratadas pelo empresário. 

 

Saiba tudo sobre como funciona a energia solar para empresas e comece a planejar o seu projeto.

 

A Solstar é empresa especializada em energia solar e garante as melhores soluções para apoiar a sua empresa em todas as etapas dessa missão. Faça uma rápida simulação e descubra quanto você está deixando de economizar em energia!

Learn More

Business executives analyzing on valuation data paper and digita

10 Motivos para Migrar sua Empresa para Energia Solar

10 motivos para migrar sua empresa para energia solar

 

A energia solar para empresas tem uma série de benefícios. Desde questões mais práticas, como a redução na conta de energia, quanto vantagens mais subjetivas, como os investimentos em economia verde e seus impactos sobre a reputação da marca e da empresa.

Se você já conhece as vantagens e desvantagens da energia solar mas ainda não fez a sua migração, nós reunimos aqui 10 motivos – econômicos, ambientais e técnicos – para migrar a sua empresa para a energia solar. Confira:

 

#1 Econômico: redução na conta de energia

energia solar economia

Esse benefício sozinho é o responsável por convencer a grande maioria dos usuários a fazer a migração para a energia solar para empresas e também para residências. Afinal, quem é que não quer converter parte da sua despesa mensal em economia?

A conta de energia, aliás, é uma das contas de consumo de valor variável que mais podem trazer dores de cabeça para os consumidores. Se considerarmos o aumento nas tarifas, imposto pelo governo e órgãos reguladores, somado às variações de bandeira, fica claro que, um sistema que se propõe a reduzir em até 95% o valor mensal da sua conta de energia, é certamente um ótimo investimento.

 

#2 Econômico: créditos na conta de energia

Se reduzir a conta de energia mensal já era motivo de alegria, imagina então receber créditos pelo excedente de energia gerado e abater o saldo da sua fatura? É perfeito!

Quando você instala um sistema fotovoltaico na sua propriedade e esse sistema está conectado à rede local de distribuição, toda a energia excedente ao seu consumo é injetada na rede pública e convertida em créditos que podem ser utilizados por até 60 meses.

Com esses créditos, você pode abater a energia que a sua empresa utiliza da rede à noite ou em dias de baixa incidência solar, por exemplo. E tem mais, se a sua casa estiver conectada à mesma rede e concessionária, os créditos gerados pela empresa podem abater a conta de energia da sua casa também. Assim, você faz apenas um investimento e tem créditos que atendem duas ou mais unidades consumidoras. 

 

#3 Econômico: financiamento e Retorno do Investimento

Alguns empresários que ainda não realizaram a sua migração para energia solar estão no grupo dos que não sabem como é e quanto custa a instalação do sistema fotovoltaico. Assim como alguns proprietários residenciais, esses empresários tendem a imaginar que esse pode investimento pode ser inacessível para a sua empresa.

A boa notícia é que, não apenas existem linhas especiais de financiamento para a instalação de sistemas fotovoltaicos, estão entre as linhas que incentivam a economia verde, como o retorno sobre o investimento é indiscutível. Ou seja, quanto mais a sua empresa gasta na conta de energia, mais fica atrativo realizar um financiamento e instalar a energia solar na sua empresa.

Além de saber exatamente o valor da parcela no período de financiamento (diferente da surpresa da conta de energia), o prazo de retorno está entre 3 e 6 anos. Depois disso é a economia mais pura e adorada pelo seu caixa.

 

#4 Econômico: valorização do patrimônio

Quando chamamos um sistema de geração de energia solar de investimento, é porque ele realmente vale muito mais do que “apenas” a economia mensal na conta de energia. O sistema fotovoltaico tem como atributo a valorização do imóvel no qual está instalado. 

Imagine que você precise vender a sede da empresa para mudar para uma nova, fica muito mais interessante para o potencial comprador saber que esse é um imóvel sustentável, ou seja, que ao adquiri-lo ele adquire também a tranquilidade de ter a conta de energia totalmente sob controle.

 

#5 Ambiental: sustentabilidade

instalação de painéis solares

Um dos temas que mais tem ganhado pauta no cenário corporativo atual é ESG: environmental, social and corporate governance, ou, em português: ambiental, social e governança corporativa. 

Este tripé está diretamente relacionado à sustentabilidade das empresas e vem contribuindo de forma significativa com o seu ganho de competitividade. Empresas que investem em soluções e benefícios sustentáveis, como a energia solar, têm despontado nos seus segmentos.

 

#6 Ambiental: fonte inesgotável

E por falar em sustentabilidade, a geração de energia solar por meio da instalação de painéis solares fotovoltaicos nada de braçadas nessa corrente. Ao utilizar a irradiação solar como fonte de geração de energia elétrica, você está coberto pela alta incidência solar do Brasil, o que assegura sua fonte inesgotável e contribui para a conservação dos reservatórios e o meio ambiente.

A energia solar para empresas é uma das melhores formas de buscar a autossuficiência energética sem estressar recursos hídricos ou emitir poluentes. E, claro, a sua operação não fica suscetível a oscilações de fornecimento.

 

#7 Ambiental: geração compartilhada

Desde 2015, a ANEEL permite que dois ou mais consumidores compartilhem a energia gerada por mini ou microgeração. Com a condição de que todas as unidades consumidoras estejam na mesma área de concessão, elas podem estar distantes fisicamente ou em condomínios, edifícios, centros comerciais e etc.

Essa é uma das formas de geração distribuída que está disponível aos consumidores-geradores. Aqueles proprietários de sistema de energia solar fotovoltaica e que injetam na rede o excedente da energia após o consumo.

 

 #8 Técnico: fácil instalação

instalação energia solar

Com a instalação dos painéis solares feita no telhado, a fim de otimizar a captação da irradiação solar, o trabalho é concluído de forma super rápida. É necessário em média um dia (menos de 24 horas) para a instalação de até 32 painéis de energia solar, sem prejudicar a rotina da sua empresa.

 

#9 Técnico: baixa manutenção e longa durabilidade

A manutenção de um sistema de energia solar fotovoltaica é simples mas extremamente importante. Como estão expostos e funcionando ao longo de 12 horas diárias, é importante realizar a sua limpeza e manutenção com certa periodicidade. 

Contando com uma empresa especializada, a eficiência do sistema pode aumentar em até 60% e assegurar a maior durabilidade dos painéis. Aliás, esse investimento tem duração garantida de pelo menos 25 anos, gerando energia limpa e barata.

 

#10 Técnico: incentivo ANEEL

A energia solar fotovoltaica está entre as formas de geração distribuída incentivadas e regulamentadas pela ANEEL pelo seu potencial estratégico. A Agência permite que consumidores comuns tenham acesso à rede de distribuição de baixa tensão a fim de produzir energia elétrica para consumo próprio, desde que utilizem fontes de energia renováveis.

É a esse incentivo que estão relacionados os créditos por energia excedente injetada na rede, por exemplo.

 

Depois de conhecer esses 10 motivos, está convencido a fazer a migração da sua empresa para a energia solar fotovoltaica?  Então está na hora de conhecer a Solstar, uma empresa especializada para atender a sua empresa, do projeto à manutenção. Saiba mais sobre nossos projetos, faça uma rápida simulação e comece a planejar a sua migração agora mesmo.

Learn More

Sun setting behind the silhouette of electricity pylons

O que é Geração Distribuída de Energia?

O que é Geração Distribuída de Energia?

Como o próprio termo sugere, Geração Distribuída consiste na geração de energia elétrica no local de consumo, ou próximo dele, por meio de um sistema conectado à rede pública, para a qual será distribuída a energia excedente após o consumo próprio.

Regulamentada pela Agência Nacional de Energia Elétrica e oferecendo inúmeras vantagens ao consumidor-gerador ou prosumidor (expressão derivada do termo prosumer, que em inglês significa — producer and consumer), a Geração Distribuída pode ocorrer por meio de fontes de energia renováveis como a energia solar, eólica, além da energia proveniente de usinas hidroelétricas.

 

Geração Distribuída

energia solar no brasil

Data de 2004, por meio do Artigo 14º do Decreto Lei nº 5.163 de 2004, o surgimento da definição de GD: “considera-se geração distribuída a produção de energia elétrica proveniente de empreendimentos de agentes concessionários, permissionários ou autorizados, incluindo aqueles tratados pelo art. 8o da Lei no 9.074, de 1995, conectados diretamente no sistema elétrico de distribuição do comprador, exceto aquela proveniente de empreendimento:

I – hidrelétrico com capacidade instalada superior a 30 MW; e

II – termelétrico, inclusive de cogeração, com eficiência energética inferior a setenta e cinco por cento, conforme regulação da ANEEL, a ser estabelecida até dezembro de 2004.”

Tendo como principal característica a proximidade entre geradores e seus consumidores, podendo estar na própria unidade consumidora ou próximo a ela, a geração distribuída é uma modalidade estratégica de geração de energia elétrica de forma descentralizada que emprega geradores de pequeno porte.

 

Entenda melhor

O principal contraponto em relação ao modelo tradicional de geração centralizada, que se utiliza de grandes usinas como as hidrelétricas e termelétricas, está justamente na proximidade, considerando que as grandes usinas são distantes dos centros de consumo, demandando assim o transporte da energia por meio das linhas de transmissão de longa distância.

Na época da sua conceituação, em 2004, a geração distribuída ainda não era tão acessível aos consumidores quanto nos dias de hoje em que a energia solar no Brasil, por exemplo, vem ampliando cada vez mais o seu alcance. Um fator de destaque entre os contribuintes para o aumento desta acessibilidade, é a Resolução Normativa no. 482/2012.

Posteriormente revisada e ampliada pela RN 687/2015, foi a RN 482/2012 que permitiu que consumidores comuns tivessem acesso à rede de distribuição de baixa tensão a fim de produzir energia elétrica para consumo próprio. 

Para tanto, estabeleceu as condições que regulam a injeção de geração distribuída na matriz energética, permitindo o uso de qualquer fonte renovável instalada em unidade consumidora e conectada na rede de distribuição e definiu os seguintes conceitos:

  • Microgeração distribuída: a central geradora com potência instalada de até 75 quilowatts (KW);
  • Minigeração Distribuída: aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW.

Exemplificando: é como realizar a instalação de um sistema de energia solar residencial e fazer a sua respectiva conexão à rede de distribuição pública. Assim, após atender a demanda da residência, a energia elétrica gerada pelo sistema fotovoltaico será injetada na rede de distribuição, contribuindo com outras unidades consumidoras.

 

E quais são as regras da Geração Distribuída?

Embora tenha inúmeras razões para incentivar o crescimento da geração distribuída no Brasil, é natural que a ANEEL não o faça sem estabelecer uma série de regras básicas. É por isso que, desde o dia 1o de março de 2016, as regras definidas pela RN 482/2012 e aperfeiçoadas pela RN 687/2015 estão em vigência, regulando as condições da GD. Conheça:

  • É permitido o uso de qualquer fonte renovável, além da cogeração qualificada, denominando-se microgeração distribuída a central geradora com potência instalada até 75 quilowatts (KW) e minigeração distribuída aquela com potência acima de 75 kW e menor ou igual a 5 MW;
  • Quando a quantidade de energia gerada for superior à energia consumida no período, o consumidor fica com créditos que podem ser utilizados nas faturas seguintes, em até 60 meses; 
  • Os créditos podem ser utilizados para abater o consumo de outras unidades consumidoras do mesmo titular, desde que na área de atendimento da mesma distribuidora, este processo foi intitulado como auto-consumo remoto;
  • Possibilidade de instalação de geração distribuída em condomínios, nos quais a energia gerada pode ser dividida em cotas entre os condôminos;
  • Possibilidade de geração compartilhada, modelo de consórcio ou cooperativa no qual um grupo de interessados instalam uma micro ou minigeração distribuída e utilizam a energia gerada para redução das suas faturas;
  • Estabelece prazos para processos, padronização de formulários para solicitação de conexão e definição de responsabilidades atribuídas aos clientes, a empresa responsável pela implantação do sistema e a distribuidora.

 

E as vantagens da Geração Distribuída, quais são?

Geração Distribuída de Energia Solar

A geração distribuída oferece inúmeras vantagens e benefícios, não apenas para o consumidor-gerador, como também para todo o sistema elétrico no qual está instalada. Isso explica porque ela vem sendo tão estimulada pela ANEEL e demais órgãos regulatórios nos últimos anos.

Entre os benefícios para o sistema, estão: 

  • Redução ou adiamento de investimentos em expansão dos sistemas de transmissão e distribuição, uma vez que a energia elétrica gerada acima da demanda da unidade consumidora contribuiu para o atendimento à demanda de outras unidades consumidoras ligadas à mesma rede;  
  • Baixo impacto ambiental, visto que são permitidos somente sistemas de fontes renováveis, como a energia solar fotovoltaica, utilizando assim uma energia limpa e cuja instalação e geração não têm impacto ambiental; 
  • Redução no carregamento das redes, considerando que a unidade consumidora quase alcança a autossuficiência energética, deixando assim de demandar a rede e ainda podendo contribuir com unidades consumidoras próximas;
  • Minimização das perdas com a descentralização da geração, uma vez que dispensa-se o transporte da energia a longas distâncias, o que ainda torna o sistema elétrico mais eficiente, além de evitar altos investimentos em linhas de transmissão; 
  • Diversificação da matriz energética pela rápida expansão da oferta de eletricidade no país, proporcionada pela geração distribuída, promovendo redução de custo e  aumento de disponibilidade de energia elétrica no país.

 

O consumidor-gerador também tem vantagens?

Vamos tomar como base a instalação de um sistema de energia solar fotovoltaico, uma das mais utilizadas e acessíveis formas de gerar energia elétrica a partir de uma fonte renovável e, consequentemente, habilitar-se para a geração distribuída.

A simples opção pela energia solar residencial ou energia solar para empresas já traz consigo inúmeros benefícios, como, por exemplo, a redução da sua conta de energia em até 95% ou ainda as muitas vantagens da energia solar para empresas.

No entanto, ser um consumidor-gerador no Brasil nos dias de hoje, tem ainda alguns pontos que merecem destaque:

  • A sua unidade consumidora gera, ao longo do dia, mais energia elétrica do que consome, logo, o excedente é convertido em créditos para custear, por exemplo, a energia da concessionária que você consumiu à noite;
  • Se o sistema fotovoltaico for instalado na sua empresa, o crédito da energia excedente pode ser utilizado para abater a conta de energia da sua casa e vice-versa, desde que estejam na mesma rede, claro;
  • Você faz um investimento sustentável;
  • Além de ajudar a cuidar do meio ambiente, você contribui com a rede elétrica pública, apoiando para que não falte energia na sua cidade.

 

Seja com a mini ou microgeração, em casa, no condomínio ou na empresa, habilitar-se para a geração distribuída utilizando um sistema de energia solar fotovoltaico é contribuir com a sua economia, com o meio ambiente e com o desenvolvimento de toda a rede na qual você está conectado. E, para tudo isso, você pode contar com a qualidade e a experiência da Solstar.

Que tal planejar o seu projeto de geração distribuída agora mesmo? Faça uma simulação grátis sem compromisso e descubra como podemos ajudar com o seu projeto!

Learn More